domingo, 1 de maio de 2011

A tão querida RENDA! Renda-se a essa idéia !!!

Depois do charme e elegância da Duquesa de Cambridge em seu deslumbrante vestido com rendas, tenho certeza que a tendência na moda dos vestidos de noivas para o segundo semestre de 2011 e o ano de 2012 estará recheado de noivinhas envoltas nesses mimosos tecidos.


Por isso resolvi fazer um post sobre o tema, pois só se ouve dizer numa infinidade de tipo de rendas. Mas qual é a diferença?

Encontrei um site Fashionbubbles que trás de forma simples e direta algumas diferenças. Segue abaixo o texto:

"A renda é um tecido com padrão de orifícios e desenhos feitos à mão ou à máquina. Os tipos mais comuns são a renda de bilros e a renda de agulha. A renda de bilros é criada pela manipulação de numerosos fios, cada um deles presos a um bilro, sendo em geral trabalhada sobre uma almofada."
São essas as rendas que encontramos no nordeste do nosso país BELAMENTE feito pelas mãos das artesãs.


"A de agulha é confeccionada dando-se laçadas com o fio (estando uma extremidade presa a uma agulha e outra presa a uma base) em pontos simples ou complexos, o que resulta num padrão ou desenho preestabelecido. Acredita-se que renda de bilros seja originária de Flandres (região belga) e a de agulha, da Itália.
                 
Nos séculos XVIII e XIX, os centros de produção de rendas de bilros eram Chantilly e Valencienses, cada um com desenhos próprios. Alençon, Argentan e Veneza são centros associados à renda de agulha. De início, o uso das rendas restringia-se aos mantos do clero e da realeza, geralmente sob a forma de passamanaria dourada ou prateada. Nos séculos XVII e XVIII, a renda já era usada em adornos de cabeça, babados, aventais e enfeites de vestidos. No início do século XIX, era muito empregada em vestidos; vestidos de chá; véus; casaquinhos; luvas; e os adornos de guarda-sóis e regalos,bertas, fichus, lenços e xales também foram feitos de renda.
Antes do século XIX ela costumava ser produzida em fios de linho, mas o algodão tornou-se mais comum. A renda feita à máquina surgiu no final do século XVIII, embora não fosse patenteada até meados do século XIX. A popularidade da renda caiu no final do século XIX e início do século XX. Desde essa época, raramente é usada e ficou associada à confecção de lingeries.
A renda nunca desapareceu por completo da moda, pois nos vestidos de noivas e debutantes ela sempre aparece. O alta-costura francesa também não dispensa o uso de uma bela renda."

 CURIOSIDADE
"Foi Catarina de Médici que introduziu o uso da renda na corte francesa. Isso causou um consumo exagerado e desenfreado, o que fez com que os cofres franceses fossem praticamente esvaziados devido aos custos de importação.  Foi promulgado um decreto pelo rei da frança, que proibia o uso da renda, tamanho foi o caos.
No entanto, descobriu-se que era melhor produzir do que importar o produto.
Foi Colbert, ministro de Luiz XIV, que teve a brilhante idéia e em 1665 fundou em Alençon, as “Manufaturas reais o ponto de França” -tocadas pelas mãos de 30 rendeiras de Veneza e 200 de Flandes.

No Brasil a renda de bilros foi trazida pelos portugueses e durante muito tempo foi a ocupação de freiras nos conventos. Elas teciam alfaias para os altares das igrejas. Tanto no Brasil como em Portugal, atualmente a renda de bilro é feita por mulheres no norte/nordeste litorâneo do país. Esse fator é associado à chegada das rendas pelos litorais."

2 comentários:

Noivinha Gigi disse...

Eu confesso que nunca gostei de vestidos com renda, não para mim ... nas noivas sempre achei mto bonito, na Duqueza então ficou lindo...

Engraçado não sabia tudo isso sobre a renda...Legal
o/

Andresa Vaz disse...

é flor..renda é linda!
então.. o unico motivo que ele nao cobra pra remarcar é o mau tempo!
aew remarcamos!
=)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...